Como Escolher Fundos Renda Fixa // O que é um Fundo DI (e todas outras alternativas)

A gente já entendeu que os fundos de investimento são uma espécie de condomínio Mas sabia que existe uma forma de investir em renda fixa através desses fundos? Não? Então, fica tranquilo porque esse é nosso papo agora no Curinga Econômico

Apesar dessa definição oficialmente não existir, eu acho interessante dividir os fundos de investimento em uma grande classe que eu chamo de renda fixa Desse jeito, fica mais fácil para todo mundo entender Dentro dessa grande divisão, a gente pode colocar três tipos de fundo: os fundos de curto prazo, os fundos DI e os fundos de investimento em renda fixa, ou seja, que leva o nome dessa classe Os Fundos de Curto Prazo são aqueles em que o gestor aplica o dinheiro dos investidores em títulos públicos ou privados, pré ou pós-fixados e que o prazo não passe de 375 dias, mas também não é menor do que 60 dias Os fundos de curto prazo seguem de perto a taxa de juros aqui no Brasil, e são mais indicados para quem é mais conservador, justamente porque o vencimento dos títulos acontece num espaço curto de tempo, então eles são menos sensíveis às grandes oscilações do mercado de juros aqui do país

Seguindo esse mesmo pensamento de acompanhar de perto a taxa de juros aqui no Brasil, temos os Fundos Referenciados DI, conhecido só como Fundos DI Nesse caso o objetivo é acompanhar de perto o CDI, que não é a taxa de juros aqui no Brasil, mas como a gente já aprendeu no vídeo de indexadores é muito parecido Os fundos DI aplicam 95% do seu patrimônio em ativos que acompanham diretamente o CDI, por isso, eles são mais indicados em momentos em que a taxa de juros aqui no Brasil está subindo, justamente porque seu dinheiro vai render mais ou menos se os juros subirem ou caírem E ainda existem os fundos chamados de Renda Fixa Nesse caso, o gestor pode ter um pouco mais de liberdade para buscar melhores rentabilidades

Ele pode aplicar em títulos públicos ou privados que sigam a taxa de juros ou algum índice de preços E um exemplo que está se tornando bem conhecido no Brasil agora, são os Fundos de Crédito Privado O interessante desse tipo de fundo chamado de renda fixa é que com mais liberdade o gestor pode escolher alguns títulos considerados de maior risco, mas que, por outro lado, podem trazer maiores rentabilidades Além disso, são permitidas algumas estratégias que não poderiam ser utilizadas nos fundos DI ou de curto prazo E um detalhe importante: nesse tipo de fundo renda fixa a gente depende bastante da capacidade do gestor, então o ideal é buscar o histórico de rendimentos daquele fundo e procurar instituições que a gente realmente confia

Mas aí você deve estar se perguntando: quais são os custos para todos os tipos desses fundos? Como em qualquer outro tipo de fundo de investimento a gente tem a taxa de administração e de performance, só que o mais comum é ter só a taxa de administração Além disso, tem a questão da tributação que nos fundos de investimento em renda fixa é um pouco diferente dos outros investimentos normais de renda fixa Essa tributação é chamada de “come-cotas” e o nome é bem sugestivo; parte das suas cotas será retirada para o pagamento do imposto de renda Esse pagamento é semestral, e só para vocês terem uma ideia, ele funciona mais ou menos assim: nos fundos de curto prazo o “come-cotas” é de 20% dos rendimentos, todo semestre, e se você deixar seu dinheiro aplicado mais de seis meses esse será o único imposto Agora, se você deixar o dinheiro aplicado em fundos de curto prazo por menos de seis meses, será cobrado mais 2,5% no dia do resgate, totalizando um imposto de 22,5%

Então, se deixarmos mais de seis meses, imposto de 20% semestralmente; menos de seis meses, mais 2,5% de imposto no resgate Para os fundos DI e renda fixa o “come-cotas” funciona diferente Serão cobrados 15% semestralmente mais o imposto, dependendo do tempo que você deixa seu dinheiro aplicado Se a gente deixar o dinheiro mais que dois anos, temos somente os 15% do “come-cotas”; de um a dois anos vamos ter o “come-cotas” de 15% semestralmente, somados a 2,5% no resgate; de seis meses a um ano, 15% do “come-cotas mais 5% no resgate; e se deixarmos o dinheiro aplicado até seis meses, nós teremos 15% do “come-cotas” mais 7,5% de imposto de renda no resgate Mas não esquece que sempre em maio e em novembro de uma forma ou de outra será cobrado o “come-cotas”, que não muda o valor da cota, mas a quantidade de cotas que você possui

Eu sei que esse sistema num primeiro momento parece ser complicado, mas fica tranquilo porque tudo isso é feito automaticamente O que você precisa entender é que a tributação é feita através desse “come-cotas”, e quanto mais tempo deixarmos nosso dinheiro aplicado nesses fundos, menos vamos pagar de impostos, no máximo serão 22,5% e no mínimo 15% E se você ainda estiver em dúvida sobre o que vale mais a pena para você, fica tranquilo, porque a gente tem os vídeos e o guia do Curinga Econômico, as ferramentas da seção de “investimentos” do Uibo e o especialista do seu banco ou da sua corretora que eu tenho certeza que vão te ajudar a escolher as melhores oportunidades no mercado de renda fixa Então, galera, vocês entenderam: a gente pode investir em renda fixa através de fundos Temos os fundos curto prazo, os fundos DI e os fundos que levam o nome renda fixa, que são aqueles que dão mais liberdade ao gestor, mas não esquece que a tributação funciona naquele sistema de “come-cotas” que eu falei

Eu sou Murilo Voznak A gente se vê no próximo Curinga Econômico, então Tchau

Passo a passo como investir no Mercado de Forex utilizando robôsEU QUERO!
+ +